Projeto do setor metalúrgico e metalomecânico financiado com 700 mil euros

O projeto “TransTec”, do Centro Tecnológico de Apoio à Indústria da Metalomecânica (CATIM), recebeu um financiamento de 700 mil euros. Este projeto, que visa facilitar a transferência de conhecimentos em tecnologia para empresas do setor no Norte, foi financiado no âmbito do Programa Operacional Regional Norte2020 e tem como principal objetivo explorar estratégias de aglomeração, de proximidade e de escala entre o tecido empresarial do Norte de Portugal, através do desenvolvimento de iniciativas de interação, de difusão e de aposta na inovação dos processos e dos produtos.

Assumindo especial enfoque nas empresas do setor metalúrgico e metalomecânico, o projeto permite transferências de conhecimento e de tecnologia nas áreas da Metrologia (ciências da medições) e de ensaios de materiais, mais concretamente na Metalografia (estudo da morfologia e estrutura dos metais). A transferência de conhecimento nestas áreas proporcionará à indústria o reforço da base de conhecimentos científicos e tecnológicos, fomentado a investigação científica e tecnológica de excelência e o reconhecimento internacional das capacidades nacionais, permitindo assim a introdução de melhorias nos produtos e nos processos.

O CATIM atua no sentido de maximizar sinergias que potenciam a criação de conhecimento, a inovação e a progressão nas diversas cadeias de valor, procurando deste modo responder às necessidades do tecido empresarial e promovendo o desenvolvimento contínuo e o aumento da produtividade e competitividade das empresas que recorrem a este centro tecnológico. A metalúrgica e a metalomecânica fazem parte de um grande setor da economia portuguesa, e foi responsável, em 2016, por mais de 14,6 mil milhões de euros em exportações, com um volume de negócios na ordem dos 28 mil milhões de euros, equivalente a 14% do PIB, representando 31% das exportações da indústria transformadora e empregando 200 mil trabalhadores.

 

Fonte: Dinheiro Vivo

Ler Mais

Portugal com maior subida mensal da UE na produção industrial

Portugal apresentou a maior subida mensal da UE na produção industrial, segundo os registos da Eurostat.

A produção no Setor Industrial, ajustada de dias úteis, aumentou em julho de 2017, face ao mês anterior, 0,1% na Zona Euro e diminuiu 0,3% na União Europeia a 28. Em junho de 2017, a produção industrial tinha registado -0,6% na Zona Euro e também na UE a 28.

Portugal registou um aumento de 1,9% face ao mês anterior, o que compara com uma diminuição de 0,2% em junho de 2017.

Em termos homólogos, a produção industrial aumentou 3,2% na Zona Euro e 3,1% na UE a 28. E Portugal registou, em termos homólogos  um aumento de 5,2%, após ter registado um aumento anual de 3,9% no mês anterior.

Entre os Estados-Membros para os quais existem dados disponíveis para julho de 2017, os maiores aumentos da produção no sector industrial em termos homólogos foram registados na Eslováquia (9,2%), Letónia (8,9%) e Roménia (7,6%). Verificaram-se as maiores quebras na Irlanda (-9,2%), Dinamarca (-3,1%) e Malta (-1,7%).

Fonte: Jornal de Negócios

Ler Mais

Maquinistas da 4.ª Revolução Industrial

Ainda há máquinas que dão trabalho

Os ‘maquinistas’ da quarta revolução industrial querem-se especializados mas também com uma visão multidisciplinar: programadores de fresadoras CNC, técnicos de mecatrónica, soldadores e engenheiros de soldadura, operadores de impressoras 3D, costureiros, especialistas em desenho assistido por computador. A lista de profissões é extensa e cada uma aplica-se, em simultâneo, a alguns dos sectores industriais com o melhor desempenho a nível nacional (como o têxtil, o calçado ou a metalurgia). Todas partilham do mesmo hipocentro: são máquinas que as fazem existir. E isto acontece no mesmo mundo que emite alertas sucessivos da substituição do homem pela máquina — o Fórum Económico Mundial prevê o desaparecimento de cinco milhões de empregos até 2020.

São cada vez mais as vozes que pedem mão de obra especializada e atualizada, pois em todo o sector industrial, as máquinas são criadoras de emprego líquido. Não há um profissional de metalomecânica inscrito num centro de emprego, tanto pelo crescimento do sector, alavancado pelo aumento das exportações, como pela sua modernização. O que acontece é que as novas tecnologias trouxeram um emprego diferente, muito mais qualificado.

Neste adeus aos tempos modernos, monitores, teclados e joysticks substituem a alta velocidade o peso de tambores de aço e de engrenagens rudimentares nas mais diversas indústrias. Mas a imagem generalizada da fábrica continua a emergir a preto e branco — e de forma pouca apelativa — à vista das camadas mais jovens. Se antes operar uma máquina dependia de características como a resistência e a destreza manual e física, agora as máquinas são controladas através de computadores e trabalham sozinhas. Já não são trabalhos fisicamente exaustivos nem sujos e os equipamentos de proteção e condições de trabalho tornaram-se mais sofisticados.  O mercado requer pessoas com altas qualificações, que são bem pagas por isso. E além do emprego garantido, aqui não existem precários, prevendo-se que as diferentes indústrias cresçam em força nos próximos anos.

Se é crescente a necessidade de especialistas hábeis para construir a partir do bruto e a partir do nada, o mercado também exige profissionais que saibam ligar as peças. Na área da soldadura, seja na parte técnica ou de engenharia, a empregabilidade aproxima-se dos 100% e calcula-se uma necessidade de mais de um milhão de soldadores até 2020 na Europa.

Ainda não existe nada (robôs) que substitua esta profissão, sobretudo no caso dos procedimentos a laser (na soldadura por resistência, a automação já dá passos consistentes). Há apenas, neste momento, instrumentos que apoiam e facilitam o trabalho, para que de barras metálicas se façam bicicletas, janelas e aviões, ainda com um pequeno cunho artesanal.

 

Fonte: Expresso

Ler Mais

Há falta de pessoas para acrescentar valor às empresas

A indústria mais exportadora do país, a metalurgia e metalomecânica, com o impressionante número de 14,6 mil milhões de euros em 2016, revela fragilidades sobre o futuro próximo nos domínios da economia e da formação.

Não existem recursos humanos para continuar a crescer ao ritmo que a indústria metalúrgica e metalomecânica tem crescido nos últimos anos. Aliás, não existem recursos humanos para o possível crescimento das atividades de manufatura, seja ela de outros setores industriais, seja da vital “indústria do turismo”. Não temos massa crítica para apresentar, pelo que, dificilmente aguentaremos a boa imagem do País se não atuarmos já.  O país está a preparar-se para os diversos desafios: o investimento tem aumentado; as exportações crescem de forma sustentada, embora haja aumento das importações;  a imagem do país moderno melhora todos os dias. Mas não conseguiremos aguentar este crescimento sem resolvermos rapidamente este problema estrutural da falta de pessoas para acrescentar valor às empresas.

Falar da “nova economia”, de start-ups e de Indústria 4.0 não chega. Falta a estrutura. E a estrutura essencial são as pessoas. Este facto é tanto mais preocupante se tivermos em conta que nos próximos 10/15 anos o mundo profissional vai mudar mais do que nos últimos 50 anos; se pensarmos que as mudanças tecnológicas se estão a dar a um ritmo alucinante; se verificarmos que os consumidores estão a mudar e a seguir tendências que terão implicações brutais nos produtos e serviços que deverão ser apresentados no mercado. Não há adaptação e resiliência que resista à falta de pessoas para acrescentar valor às empresas. Mesmo com a “robotização” das tarefas.

 

Fonte: ECO Economia Online (Gonçalo Lobo Xavier)

Ler Mais

Indústria campeã das exportações precisa de 20 mil trabalhadores

A indústria metalúrgica e metalomecânica, o setor mais exportador da economia portuguesa, com um crescimento de 40% das vendas ao exterior desde o início da década, precisa, no imediato, de 10 mil trabalhadores para continuar a crescer. Isto, porque as estimativas são de que, até ao final do ano, esse número duplique e sejam 20 mil os operários em falta. No total, as 15 mil empresas do setor dão emprego a 200 mil pessoas. No entanto, é necessário investimento na área da formação profissional, de modo a formar os profissionais necessários para alimentar este setor em constante expansão.

O setor da indústria metalúrgica e metalomecânica tem sido muito dinâmico na captação de investimento direto estrangeiro pelo que o número de trabalhadores em falta vai rapidamente duplicar, até pelo número muito significativo de novas empresas, sendo destas um grande número de empresas estrangeiras, que estão a abrir em Portugal, na zona do Alto Minho, mas não só.

Para já, o setor vai de vento em popa. As exportações cresceram 16% nos primeiros quatro meses do ano, números muito animadores e que permitem antecipar um novo recorde no final do ano, por uma margem significativa.

Mas nem só a mão-de-obra preocupa o setor, o financiamento também. Há muitas empresas de grande potencial e solidez prejudicadas na concessão de crédito, porque há uma dificuldade generalizada da banca portuguesa em compreender as PME, que têm de ser analisadas de acordo com a realidade que protagonizam e não pelas regras das grandes empresas.

Fonte: Jornal “Dinheiro Vivo”

Ler Mais

Indústria metalomecânica exportou mais de 14 mil milhões em 2016

De acordo com dados recolhidos pela AIMMAP – Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal, a indústria metalomecânica e metalúrgica portuguesa exportou, no ano passado, mais de 14 mil milhões de euros, pelo segundo ano consecutivo, sendo assim o sector industrial mais exportador da nossa economia.

A indústria portuguesa tem assim reforçado, ano após ano, a imagem de qualidade e inovação junto dos mercados de referência, com a França, seguido de Espanha e do Reino Unido, como os mercados de destino das exportações dentro da União Europeia que mais cresceram.

Este segmento do sector metalúrgico e metalomecânico nacional reforça-se, assim, como uma referência na Europa, dada a sua capacidade de engenharia, ‘time to market’ e excelente relação qualidade/preço.

 

Ler Mais

Kristaltek continua o seu crescimento em 2017

Em 2017 dá-se o crescimento da empresa, alargando o seu espaço físico em 5000 m2 (a área de fabrico passou de 2000m2 para 7000m2) e, consequentemente, aumentando a produção e o número de funcionários.

Passados 8 anos de trabalho árduo e muita dedicação, com o esforço competitivo e inovador que tem vindo a ser feito, cimentamos uma empresa sólida e com ótimas perspetivas futuras.

Ler Mais

Metalurgia com papel absolutamente determinante na economia nacional

“A metalurgia e metalomecânica, que já era o sector mais exportador da economia nacional, começam a consolidar-se como destino de investimento para empresas internacionais que fabricam desde peças para automóveis até sanitários em inox.
Portugal entrou no radar do investimento estrangeiro no sector da metalurgia e da metalomecânica. Nos últimos dois anos houve mais de duas dezenas de empresas de capital estrangeiro a instalarem-se, sobretudo, nos distritos de Viana do Castelo, Porto e Aveiro, provenientes desde a vizinha Galiza até à Índia e especializadas em diferentes segmentos.

Só na área do fornecimento da indústria automóvel, dez novas unidades abriram neste período no Alto Minho, a maior parte delas para abastecer a fábrica da PSA (Peugeot e Citroën) em Vigo. Também a saltar a fronteira estão várias empresas de França – mercado forte nas peças técnicas de alto valor acrescentado –, incluindo de pequena e média dimensão, dedicadas à subcontratação industrial. Tal como na Galiza, a instabilidade laboral é um dos factores que tem levado algumas unidades francesas a transferir a produção. A par da qualificação dos trabalhadores, da ligação às universidades e da qualidade de vida das cidades, um dos factores de atractividade apontados pela associação do metal (AIMMAP) é a “qualidade, rapidez de resposta e grande versatilidade” da indústria portuguesa.”

Fonte: Jornal de Negócios

Ler Mais

Kristaltek aumenta parque de máquinas com novo centro CNC

O novo centro CNC vem aumentar a flexibilidade do parque de máquinas da Kristaltek. A escolha recaiu numa máquina horizontal de nova geração da marca MAZAK, modelo Nexus 5000-III.

Ao combinar tecnologia avançada, produtividade e valor, este centro de maquinação fornece o nível de performance que a produção moderna e os clientes exigem.

A máquina adquirida caracteriza-se, em especial, por:

  • Spindle de 18.000 rpm
  • Feed rate de 60.000 mm/min
  • Pallet de 500 x 500 mm
  • Armazém de 80 ferramentas
  • Diâmetro máximo de trabalho de 800 mm
  • Altura máxima de trabalho de 1.000 mm
  • Controlador de ultima geração Mazatrol SmoothG
Ler Mais
  • Norte 2020
  • Portugal 2020
  • EU